quinta-feira, 23 de abril de 2009

O AMOR NOS TEMPOS DO CÓLERA

Taí um dos meus livros preferidos.
Lido, relido, desgustado, apreciado...
*

"À merda o leque que o tempo é de brisa."
*
“O desejo de esquecê-lo
era o mais forte estímulo para se lembrar dele.”
*
“... nunca teve pretensões a amar e ser amada,
embora sempre nutrisse a esperança
de encontrar algo que fosse como o amor,
mas sem os problemas do amor.”
*
“As pessoas que a gente ama
deviam morrer com todas as suas coisas.”
*
“Conversaram sem se preocupar com a hora,
porque ambos estavam acostumados a compartilhar suas insônias...”
*
“Já tinha então a impressão de conhecê-lo
como se tivesse vivido com ele toda a vida,
e acreditava que ele era capaz de mandar o navio voltar ao porto
se isso pudesse curar sua dor.”
*
“Coisa bem diferente teria sido a vida para ambos
se tivessem sabido a tempo
que era mais fácil contornar as grandes catástrofes matrimoniais
do que as misérias minúsculas de cada dia.”
*
“... à medida que aumentavam as ânsias de estar com ela
aumentava também o temor de perdê-la,
de modo que os encontros
foram ficando cada vez mais apressados e difíceis.”
*
“... caminhavam juntos, com seus passos contados,
se amando sem pressa como noivos velhos...”
*
"Não tornara a sentir uma felicidade como a dessa noite:
tão intensa que lhe causava medo."
*
"Deixe que o tempo passe e já veremos o que traz."

*
Frases do livro: O Amor nos Tempos do Cólera,
Gabriel García Márquez.

5 comentários:

eLi disse...

Nossa, Vanessa! Mais uma vez, é de arrepiar.
É coisa de García Márquez!
É ler, se impressionar, identificar...
Lembro-me do contato com "Cem anos de solidão". Único.
Foi pesado no início, e fundamental com o passar das páginas.

Estou sendo obrigado (por você) a conseguir um "Amor nos tempos de cólera" e iniciar a leitura!
Ótimo!
Beijão!

Andréa disse...

vanessa!
taí, tambpém li e reli! me emocionei na segunda leitura como na primeira vez! e sempre pego na estante e leio uma ou outra passagem! Delírio!!
agora o filme eu detestei!!!!!! e vc?
beijos

Gabriela disse...

"...algo que fosse como o amor,
mas sem os problemas do amor.” Perfeito isso! E mais ainda "As pessoas que a gente ama
deviam morrer com todas as suas coisas.” Deviam MESMO!!!

Rodrigo disse...

Já li, por sua causa. Excelente mesmo!

Vanessa Dantas disse...

Eli! Vai nessa! É sensacional! Em breve colocarei a parte 2 - tenho ainda muitas citações do mesmo livro...

Andréa, também faço o mesmo, vivo me deliciando com algumas passagens... O filme? É fraco. Mas para quem leu, de alguma forma, acho que vale.

Pois é Gabriela, são inúmeras as passagens que possibilitam identificação...

Rô: tá vendo como eu sou boa para você? ;o)

Beijos para todos.